segunda-feira, 11 de março de 2013

Filosofia Unidade I


Filosofia Unidade I
CI. Nascimento da Filosofia
• A filosofia nasce, historicamente, em um período da Grécia antiga no qual se modificava a maneira com que os homens se relacionavam. Sendo que os mitos organizavam toda a vida social, consolidando práticas e cerimônias religiosas nas famílias, entre as famílias, nas tribos, entre cidades, etc., a sua modificação, ou até extinção, inevitavelmente faria renascer, distinta, a organização das relações dos homens entre eles mesmos nas casas e na cidade. A filosofia, por conseguinte, tem sua origem em duas modificações uma contextual e outra subjetiva, isto é, uma modificação na cidade e outra no próprio homem. As modificações da cidade e da própria subjetividade se confundem, pois a própria cidade deixa de se conformar com certas tradições religiosas e a própria subjetividade, com o passar das gerações, deixa de prezar os valores ancestrais organizados nos mitos. Com essas mudanças, a cidade e o homem passam a se constituir a partir de outras práticas consideradas fundamentais, como o pensamento racional – um pensamento com começo, meio e fim e justificado pela a experiência do mundo, sem o auxílio de entes inalcançáveis.

• O nascimento da filosofia acompanha uma série de transformações na cultura e na sociedade grega. Entre elas estão o nascimento da política e do debate político na Ágora, bem como a utilização da linguagem como forma de expressar e construir argumentos racionais.

• A filosofia se inicia mediante a rejeição racional das explicações míticas e religiosas a respeito do mundo. Nesse sentido, não se pode dizer que a razão seja deusa, mas somente um instrumento de interpretação da realidade. Na Grécia, essa forma de conhecimento surge devido a uma série de transformações na sociedade, em um período em quem as disputas políticas se tornaram mais constantes com o advento da democracia.


• Na história da filosofia, entende-se por pré-socráticos aqueles filósofos que antecederam Sócrates como Parmênides, Anaximandro, Empédocles.
• Os pré-socráticos são conhecidos como filósofos da physis, pois a questão sobre a natureza era considerada de modo enfático entre eles. A peculiaridade de suas reflexões era buscar a unidade da racional entre as coisas e evitar considerar a natureza a partir de um ponto de vista mitológico. As explicações dos filósofos pré-socráticos restam fragmentadas e é um tanto temerário arriscar uma exposição sistemática de suas afirmações; muito mais de todos estes primeiros filósofos conjuntamente, afinal não havia uma organização tão óbvia da variedade de posições consolidadas nesse período. E vale ressaltar que as explicações racionais não são complementares ao mito, mas superiores ao mito.

• O ponto de partida da filosofia socrática não é a afirmação “sei que nada sei”, mas sim a palavra do oráculo de Delfos (dedicado a Apolo) que afirmou para Sócrates ser ele o homem mais sábio de todos. Sócrates não duvidou da palavra do Deus e partiu em busca da compreensão das palavras divinas. Interrogando outras pessoas, Sócrates percebeu que apesar de ele não possuir conhecimento sobre as coisas, possuía conhecimento sobre sua própria ignorância, algo que todos os outros homens não possuíam. A ignorância sobre o que significava a palavra divina o fez ir atrás do conhecimento sobre si mesmo.

Postar um comentário